sem culpa

Quando revelei o culpado pela minha reforma não tinha contado o que tinha acontecido com o assoalho de ipê que cobria minha sala anteriormente.
Por mais que eu fosse apaixonada pela peroba de demolição não entrava em minha cabeça descartar o assoalho de ipê em uma caçamba. O ipê é uma madeira nobre e estava em ótimas condições. Além disto é um absurdo conceitual eu ensinar meus filhos a reciclarem latinhas de alumínio e separar o lixo seco do orgânico enquanto a mãe jogava fora várias árvores nobres.
Alguns cálculos na cabeça e disposição chego à conclusão de que o assoalho que estava em minha sala quase conseguiria cobrir os quartos e nossa sala de TV. Ou seja, eu tinha que reaproveitar o mesmo assoalho em minha própria casa.
Qual foi a solução?
Encontrar alguém que encampasse esta idéia aparentemente maluca comigo. E não é que eu encontrei?E conto aqui o making of de tudo.
Primeiro o assoalho de ipê foi retirado do living tábua por tábua manualmente.
As tábuas foram enviadas para a marcenaria para serem refiladas e retransformadas em novas tábuas para assentar nos demais cômodos da casa.
Enquanto isto, o laminado claro que tanto eu não gostava foi todo retirado dos quartos em menos de duas horas…
Passado um tempo, as novas tábuas de ipê voltaram da marcenaria prontas para a instalação.E assim foi.
Fizemos toda a instalação do piso direto na laje do apartamento. Com o processo de refilação e nova forma de assentamento das tábuas (na sala o assoalho estava assentado na diagonal e o novo assentamento foi todo paralelo) eu tive uma perda do material que obrigou-me a comprar mais material.
Novamente, minha opção foi pela reciclagem: comprei mais réguas de ipê em uma demolição. Foi também uma aposta mais econômica e que me rendeu uma grata surpresa.
Terminamos a instalação, raspei todo o assoalho novamente e optei por tratá-lo com cera ao invés de resina.
O que eu tenho neste momento: uma casa mais quente (o laminado tornava os quartos muito frios) e com mais cara de lar. Todos os cômodos da casa em madeira e uma sensação de realização plena.
Para quem acreditava que transferir um assoalho de um lugar para o outro era uma “idéia muito maluca” só posso dizer que não há limites: basta que a gente acredite e trabalhe para tal.
Beijoca

Flávia Ferrari

Engenheira E “dona de casa profissional” Abandonou uma carreira executiva para dedicar-se à maternidade e à vida doméstica e percebeu que havia um hiato de conhecimento sobre o tema. Começou a registrar todas as suas descobertas em seu site, FLÁVIA FERRARI, que gerou vários desdobramentos: revistas e programas de TV aberta e fechada. Sua mais nova empreitada é o canal A Dica do Dia no YouTube, onde posta vídeos com pequenas dicas domésticas todas às terças e quintas.

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE

COMO REMOVER MANCHA DE MAQUIAGEM DA TOALHA O QUE FAZER PARA ACABAR COM AS FORMIGAS COMO EVITAR BOLINHAS NAS ROUPAS COMO TER ARROZ SEMPRE FRESCO E SOLTINHO PARA O ALMOÇO COMO LIMPAR ESPELHOS DICAS DE COMO LIMPAR LÂMPADAS COMO REGAR AS PLANTAS DURANTE UMA VIAGEM COMO TIRAR CHEIRO DE CIGARRO DAS ROUPAS COMO LIMPAR COLCHÃO EM CASA COMO TIRAR CHEIRO DE CHULÉ DOS SAPATOS
COMO REMOVER MANCHA DE MAQUIAGEM DA TOALHA O QUE FAZER PARA ACABAR COM AS FORMIGAS COMO EVITAR BOLINHAS NAS ROUPAS COMO TER ARROZ SEMPRE FRESCO E SOLTINHO PARA O ALMOÇO COMO LIMPAR ESPELHOS