um halloween em julho

halfifo3

 

 

O meu filho, aquele dos olhos grandes e expressivos, é um autêntico leonino. Nasceu dia 27 de julho e faz aniversário em plenas férias escolares o que sempre dificulta um pouco a comemoração com os amigos (meu marido comenta que pode parecer para as crianças que se não há celebração, não há aniversário), fato que até então não me preocupava muito, porque nos 5 anos anteriores o pequeno pouco ligava para isto.

Mas este ano foi diferente. Ele cresceu e tomou mais consciência de si mesmo – e dos outros. E queria fazer festa para comemorar. Mais precisamente uma festa de Halloween – em pleno Julho.

E eu, metida na casa de campo por quase um mês, comecei a arrancar os cabelos: o que fazer sem a 25 de março por perto? Ainda mais com um tema completamente fora de época? Fazê-lo mudar de ideia? Nem pensar! Já tentou negociar com um leonino da gema? 😉

E como da situação urgente, surge a solução criativa, eis que arregaçamos as mangas. Os três juntos (eu, minha filha e meu filho) organizamos nosso halloween caseiro e tropical que rendeu boas lembranças – ao menos para mim.

halfifo2

O ponto de partida foram os morcegos recortados em papel preto: uma solução simples que pode ser operacionalizada pelas próprias crianças. Fiz um molde básico da silhueta do morcego que ia transferindo para o papel e as crianças recortavam. Foi divertido e bem produtivo, em menos de uma hora de “trabalho” tínhamos 25 morceguinhos cortados que deram o tom da festa e preencheram bem o espaço. A ideia foi tão bem aceita que fui convocada a recortar um morcegão bem grande para substituir o divino espírito santo que tenho na porta de entrada por um grande morcego recepcionista, para colocar todos os convidados no clima da festa.

Os demais “filhotes” ganharam fio de pesca e saíram pendurados pela casa, com “destaque” para o painel com o pano rasgado que acomodou vários morcegos em diferentes alturas fazendo par com aranhas de plástico que encontrei com mais alguns cacarecos plásticos na loja de festas da cidade.

halfifo1

O resto, foi meio “de praxe”: bexigas laranjas e pretas adornaram a casa (as mesmas que fizeram o papel pela manhã de recepcionar nosso aniversariante com a chuva de balões), delícias árabes para agradar nosso estômago e nosso paladar, um bolo com caveira bem caprichado e brigadeiros tingidos de laranja feito pelas meninas de Americana (que o Professor Pardal sempre traz, gentilmente), ou seja uma festa bem família, bem das antigas.  A toalha era simplérrima, um pedaço de TNT preto de R$ 1,50 o metro. Para coroar, usamos fantasias – as mesmas da festa da bruxa da filha, de anos antes.

halfifo5

Mas o que ficou para mim desta história toda?

1. O tempo passa rápido, e quando a gente menos espera tudo muda. Meu pequeno tem suas vontades, seus desejos e sua alegria única –  e eu tenho realmente que correr para não perder estes momentos tão bacanas. Meu pai também está envelhecendo, assim como eu e todas as pessoas ao meu redor – e vale prestar atenção para passarmos bons momentos juntos. É isso que levamos da vida;

2. Não importa quão esdrúxulo ou esquisito seja o pedido, o sonho. Com disposição e desprendimento dos nossos preconceitos, conseguimos fazer acontecer. O Halloween me pareceu o mais dissociado possível do mundo, mas os momentos que ficamos juntos, recortando os morcegos foram mágicos –  e estes ficarão para sempre. Também tentamos fazer uma piñata com papel toalha que não deu certo, mas nos rendeu um tempo divertidíssimo.

3. Ao final, as delicadezas sempre ficam. No meu caso foi a história dos ossinhos de frango, que é imbatível.

halfifo4

Os 6 anos dos meus filhos sempre me assustam. Eu tenho lembranças nítidas de quando completei meus 6 anos, também me lembro dos meus sentimentos na época. Minha sensação é de que a partir dos 6 anos começamos a nos tornar “gente com memória” – mesmo sem nenhum embasamento científico para tal. E que esta memória é que vai pavimentar nossa estrada pela vida.

E que seja uma vida assim, destemida, criativa, sem medo do julgamento alheio, voltada para o bem. Tanto a minha, quanto a sua que está lendo, como a dos meus filhos e das pessoas que quero bem.

Um beijo grande, cheio de sentimento.

ossinhos1

Flávia Ferrari

Engenheira E “dona de casa profissional” Abandonou uma carreira executiva para dedicar-se à maternidade e à vida doméstica e percebeu que havia um hiato de conhecimento sobre o tema. Começou a registrar todas as suas descobertas em seu site, FLÁVIA FERRARI, que gerou vários desdobramentos: revistas e programas de TV aberta e fechada. Sua mais nova empreitada é o canal A Dica do Dia no YouTube, onde posta vídeos com pequenas dicas domésticas todas às terças e quintas.
Flávia Ferrari

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE