sobre o olhar e a vida

Hoje é segunda e, em geral, não é um dia que eu filosofo por aqui. Mas como todo dia é dia, toda hora é hora, cá estou eu com os meus botões.
Meu filho tem olhos grandes, lindos e vivos. Cheios de curiosidade. Parece que os olhos sempre chegam antes dele, tamanha a presença que tem. Não havia melhor imagem se não a dos olhos do pequeno para ilustrar este texto.
Durante toda a noite fiquei pensando muito sobre o olhar, qual a diferença que ele fez em minha vida e em minhas atitudes. Nos últimos quinze dias eu tive duas conversas com duas amigas distintas falando um pouco da minha vida.
A uma das amigas eu disse “Numa determinada época da minha vida (quando minha mãe faleceu), eu poderia facilmente colocar a touca da coitadinha e viver sob ela pelo resto da vida. Eu decidi que aquele era o momento de eu tomar as rédeas da vida com as minhas mãos – e foi o que eu fiz“.  À outra amiga, foi esta a explicação “Quando eu mudei de apartamento, não tinha dinheiro para mobiliar nem arrumar. Tudo que eu tinha era para pagar o financiamento que eu havia feito, mas mesmo assim eu queria ter algo de meu. Então, apostava nos detalhes. Você pode notar que todas as primeiras fotos do DECORACASAS eram de detalhes de objetos e foi assim que o blog nasceu
Nas duas passagens eu estava em momentos, digamos assim, “adversos”. E nas duas vezes a diferença se deu na forma que eu enxerguei a situação – se faço o que faço hoje, se consigo trocar ideias com milhares de pessoas que acessam este espaço diariamente, tudo isto se deu porque eu olhei de uma forma diferente o que era um problema.
E sempre foi assim.E, honestamente, acho que sempre será.
A vida depende da atitude que temos diante dela.
Ninguém vive em um mar de rosas, sem problemas nem angústias. Eu tenho muitas, uma cabeça cheia de caraminholas que serve tanto para inventar quanto para criar monstros. O ponto é o peso diferenciado que eu dou para os monstros e para as ideias. Não sou perfeita, não sou modelo e estou fazendo auto análise confessa com as palavras. Mas ganho presentes diários ao ser honesta. Honesta comigo, com meus sentimentos e com os outros.
É mágico saber da leitora que passou por uma crise nervosa e se descobriu em meio ao artesanato.Receber emails de permissão para reproduzir os trabalhos que faço de uma forma tão ética, tão limpa e tão clara que emociona. Palavras de agradecimento e consolo (quando mostro a fragilidade) vem com uma força que abre o coração. Fico sabendo de histórias lindas, e reais, e tenho o grande privilégio ser parte da plateia da beleza desta vida.
Porque um dia eu não dei ouvidos a pessoas que disseram que fazer um blog era uma besteira ou riram em minhas costas quando dizia que eu escrevia sobre decoração na internet e por conta própria. Não vale “gravar na pedra” coisas que nos desagradam ou nos entristecem. Vale sim, “gravar na pedra” o que nos regozija e nos faz sorrir ao relembrar.
Hoje, na entrevista do Caderno2 do jornal O Estado de São Paulo, o psicanalista Plinio Montagna diz que: “Muitos se creem credores do mundo e outros tiram o melhor do pior”. Tinha pensado muito se deveria ou não publicar o texto acima, mas acho que este foi o sinal para mim.
Cá está ele. Quanto mais eu mostro o que me alegra, mais alegria eu recebo.
Quinta passada fui à fábrica da Coral realizar uma palestra sobre “decoração e faça você mesmo” aos funcionários. Nunca tinha falado em público para tanta gente e, confesso, acordei mais cedo do que o meu habitual por este motivo. Recebi um carinho tão grande, mas tão grande, que não tenho palavras para agradecer. 
Recordando minha história, quem diria que a menina que começou a escrever sobre o que gostava e porque gostava estaria um dia dividindo o que pensa com um microfone e uma apresentação “ao vivo”?
O que eu falei? 
Basicamente o que tentei descrever nesta postagem: “Que o que conta é o olho não o bolso e que, acima de tudo, temos que ser felizes”
Um beijo

Flávia Ferrari

Engenheira E “dona de casa profissional” Abandonou uma carreira executiva para dedicar-se à maternidade e à vida doméstica e percebeu que havia um hiato de conhecimento sobre o tema. Começou a registrar todas as suas descobertas em seu site, FLÁVIA FERRARI, que gerou vários desdobramentos: revistas e programas de TV aberta e fechada. Sua mais nova empreitada é o canal A Dica do Dia no YouTube, onde posta vídeos com pequenas dicas domésticas todas às terças e quintas.
Flávia Ferrari

VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE

  • plantaçãoplantação Nas férias de julho, plantei algumas mudinhas de morango em uma jardineira. As […]
  • florescendoflorescendo Ontem eu tive uma conversa rápida por telefone com uma pessoa que gosto bastante (e […]
  • em pequenas doses O grande dilema da vida, ao meu ver, é conseguir atingir o equilíbrio. Seja emocional, […]